FairCredit

Luis Tiago General Ecosystem @pt-pt, main menu - Portuguese0

Moeda de troca e credito da Fair.coop

O Faircredit será a grande aposta da 2017.fair.coop em inovação monetária para construir um sistema económico novo, mais equitativo e eficiente globalmente, graças à sua complementaridade com a Faircoin e ao trabalho da 2017.fair.coop e seus membros.

Espera-se que seja lançado em Janeiro de 2015.

tierra-300x279_a

O desenho técnico que empregamos foi o seguinte: o Faircredit é o sistema monetário de mútuo crédito, suportado globalmente pela faircoin, a qual serve como veículo de trocas económicas e expansão e contracção de crédito entre membros da 2017.fair.coop, reduzindo por isso a necessidade de gastar faircoin e aprofundando a sua função de reserva de valor, enquanto fornece mecanismos melhores para promover crédito e trocas económicas.

Assim os requesitos para participar no faircredit são os mesmos que para ser membro pleno da 2017.fair.coop.

Ao contrário da Faircoin, o Faircredit apenas é aceite dentro da 2017.fair.coop e não pode ser usado para transacções com indivíduos ou companhias que não sejam membros da 2017.fair.coop.

Com isto, o sistema economico promovido pela 2017.fair.coop usará variadas moedas com funções complementares, como explicado em “Construindo um novo sistema económico”.

Para facilitar a compreensão da proposta, usaremos a seguinte terminologia:

Faircredit: moeda de crédito mútuo na 2017.fair.coop.
Faircredits: balanço de conta da faircredit se for positivo.
Crédito disponível: diferença entre o balanço corrente e o tecto de gasto de faircredit acordado.
Crédito: a parte do crédito disponível que pode ser usado para aumentar o crédito de alguém.
CreditsFair: balanço de conta da faircredit se for negativo.

 Por defeito uma nova conta apresentará 3 conceitos:
– Um balanço inicial de 0.
Crédito disponível: a quantia que o usuário pode gastar.
Crédito de faircoin: será directamente relacionado com o crédito disponível.

O nível de crédito disponível para cada usuário dependerá de vários factores cujo sistema de computador será responsável por calcular automaticamente:
– O crédito mínimo disponível para qualquer utilizador será, por defeito, a quantia de poupanças de faircoin na sua conta que for libertada para a sua conta de faircredit (as faircoins que, através de um sistema multisignature system, podem apenas ser movimentadas se não estiverem no processo de endossar novo crédito).
– Quando um utilizador necessita de investimento em meios de produção, a sua capacidade de gastar faircredit será um múltiplo da quantia de faircoins poupadas ou doadas (ex. x2). A aceitação da transacção pelo provedor será suficiente uma vez que a transacção e crédito será uma transacção autónoma na qual apenas duas parte necessitam intervir.
– Quando um utilizador necessita de comprar equipamento de produção e tem entre os seus clientes, membros da 2017.fair.coop, eles podem ter acesso a um crédito disponível igual a um consumo comprometido pré estabelecido por todos os usuários com faircredits ou crédito disponível que confirmem previamente a ordem, assim, quando for efectuada a venda, o vendedor será responsável por restaurar a conta antes de iniciar um novo ciclo de produção.
– Um mecanismo descentralizado para determiner crédito e endossamento será criado ao habilitar usuários com crédito disponível que eles não necessitam, para que possam emprestá-lo a outros utilizadores de forma distribuída. Isto seria feito de modo a que tivessem de partilhar o risco entre vários projectos, como um máximo de 10% da capacidade de crédito do projecto. Isto trancaria uma quantia de faircoins para endossar a outros utilizadores.
– Os faircredits não podem acumular indefinidamente, para evitar que a faircoin compita com o faircredit enquanto ferramenta de reserva de valor. O mecanismo que usaremos para alcançar isto ainda tem de ser estudado, talvez uma forma de oxidação ou expiração pudessem cumprir essa tarefa.
– O crédito disponível para os utilizadores que não se envolvam nas actividades produtivas da 2017.fair.coop dependem de dois factores: por um lado as faircoins poupadas por eles e por outro o seu karma na FairNetwork. O modo como os dois factores irão interagir de modo a definer o acesso ao crédito ainda está por definir.

Os faircredits podem ser convertidos em faircoin em qualquer altura, na condição de serem poupados por um período de tempo. Estas faircoins viriam de um fundo de numerário de faircoin especialmente criado para o faircredit, que por sua vez poderia vir do Fundo Colectivo gerido pelo Concelho do Ecossistema.

Em simultâneo os mecanismos de conversão serão implementados para permitir, embora o desencoraje, retirada de faircredit do sistema da 2017.fair.coop quando houver necessidade por parte dos membros da 2017.fair.coop de cobrir necessidades financeiras. Esta margem de troca pode ser usada, por exemplo, para estender o fundo até que o pagamento inicial possa ser reutilizado para outro projecto.

Um outro elemento a considerer antes do lançamento são os mecanismos possíveis que permitam aos usuários, através do faircredit, lidar com emergências pessoais ou colectivas relacionadas com necessidades básicas como alimentação, água, abrigo, saúde e educação.

O Faircretit é portanto um projecto que incorpora as lições aprendidas de várias teorias monetárias disruptivas e as nossas próprias experiências. Com a faircoin e o Faircredit esperamos contribuir para a sociedade com um sistema económico mais ético, equitativo e sustentável. Mais sobre sistemas de mútuo crédito:

Os sistemas de mútuo crédito ou troca mútua são uma evolução lógica de câmbio comunitário. Foram levados a cabo por organizações e grupos sociais de vários modos nos últimos 30 anos, podendo também ser encontrados exemplos mais recentes.

Um sistema de troca local usa empréstimos sem cobrar benefícios para a criação de dinheiro. Quando duas contas fazem o primeiro movimento, uma delas regista um balanço positivo, a outra, um balanço negativo. Este descoberto, não corresponde a uma dívida, é antes uma necessidade para criar dinheiro com uma moeda social descentralizada.

Por exemplo, um indivíduo pode participar neste sistema económico levando a cabo uma actividade, digamos babysitting, e ser pago por tal, gerando balanço positivo na sua conta; este pode ser gasto em serviços de carpintaria de outro sistema parceiro, o qual pagará por este balanço positivo. O balanço de contas funciona como uma moeda. Todas as transacções são recolhidas online, numa localização aberta a todos os participantes do sistema de modo a que seja transparente para eles. Este sistema monetário também pode ser chamado de mútuo porque os beneficiários da rede são os mesmos que nela trabalham.

Como vimos no caso do Faircredit, será um sistema de crédito mútuo, contudo evoluido de modo a permitir expansão e contracção de crédito entre os participantes.

This post is also available in: Inglês Espanhol Francês Catalão Chinês Alemão Grego